quinta-feira, 15 de julho de 2010

Prazeres de uma mulher macia




Sou gorda
Tenho o corpo envolto por camadas
delicadas e macias.

Sou a tradução do teu desejo,
a amante e amada.
Tenho em mim,
voluptuosas curvas que atrevem
olhares indiscretos,
ameretriz dos seus sonhos secretos,
minha figura te desafia.

Tenho pesares
por estas raquíticas mulheres
que não sabem dos prazeres carnais
de uma mulher tenra.
Sou fonte de libido
jorrando de um corpo farto de delícias.

Meus seios te convidam
aos prazeres da alcova,
minhas tão suntuosas ancas se abrem
como feitas para o coito.

Tenho a natural feminilidade
guardada em carnes arredondadas
e a vontade de ser tocada
no âmago de minha sensibilidade.

(Juliana Tokita)

Um comentário:

  1. Amei esse poema! E olha que nem gosto muito de poesia. Parabéns!

    ResponderExcluir